sábado, 26 de março de 2011

Sopa de Peixe da Minha Avó


É à minha avó materna que devo algumas das melhores recordações da minha infância. Lembro-me do fascínio com que a ouvia falar das suas memórias dos anos 40, de como os pais das meninas “de bem” as obrigavam a esconder-se dos soldados que por cá se encontravam por altura da Segunda Guerra Mundial, lembro-me de me ter falado pela primeira vez dos amores de Pedro e Inês, de me ter cantado A Moleirinha, de Guerra Junqueiro, que aprendera na sua escola primária, durante o Estado Novo, lembro-me de me ter ensinado as primeiras letras, através da Cartilha Maternal, de João de Deus, e do entusiasmo com que pegava na “minha” cartilha e rumava à casa dela, que morava perto de nós, num tempo em que crianças com cinco anos ainda podiam sair à rua sozinhas, pois o trânsito não era tão perigoso como o de hoje em dia.
Por vezes, pedia à minha mãe para passar lá a noite. Sabia-me tão bem ser mimada…
Na casa da avó, rezava-se o terço todas as noites e eu, como hóspede, participava no ritual. De seguida, via-se um pouco de televisão (não muita, pois no final dos anos 70, nos Açores, o único canal existente era a RTP Açores, e a emissão acabava cedo, ao som do hino dos Açores). De manhã, bebíamos o leite com cevada, que tinha que esperar pacientemente, na cafeteira de esmalte azul, até que o pó assentasse.
Lembro-me do meu avô a chegar da pesca, com o seu baldinho com peixe, e de eu saltitar à volta da minha avó, enquanto ela amanhava o peixe para fazer esta sopa, com a qual participo no desafio “Conte-me a sua receita”, promovido pelo blogue www.cincoquartosdelaranja.blogspot.com.


Ingredientes:
1 cebola grande, picada miúda
3 dentes de alho, picados miúdos
1 colher de sopa de banha
2 colheres de sopa de polpa de tomate
2 colheres de sopa de vinagre
1 colher de sopa de manteiga
Água (a terrina onde se vai servir a sopa, cheia)
4 peixes (boca-negra, dos mares dos Açores, ou outro peixe branco, de escama)
1 raminho de salsa
Pão de véspera, cortado em fatias finas

Primeiro, a minha avó cortava os peixes a meio e temperava-os com sal. Fritava-os em óleo ou banha e reservava-os.
Fazia um refogado com a banha, a cebola e o alho, até estarem douradinhos. Juntava a polpa de tomate, o vinagre e a manteiga e deixava refogar bem. Adicionava as batatas, cortadas às rodelas finas, e um rabo do peixe reservado, para dar gosto ao refogado. Acrescentava a água a ferver e deixava cozinhar, até ficar bem apurado (45 minutos, aproximadamente), e as folhinhas da salsa, ripadas.
Na hora de servir a sopa, misturava o resto do peixe reservado com o caldo.
Enchia a terrina com o pão cortado e punha por cima o caldo, com a batata e o peixe, tendo o cuidado de o peixe ficar por cima do pão (o peixe que não cabia na terrina era servido numa travessa, a acompanhar a sopa).

Agora, vou comer uma sopa de peixe e, a cada colher, fechar os olhos e acreditar que foi feita pela minha avó, com peixe fresquinho, pescado pelo meu avô.

Ilídia
Notas:
1 - A terrina da fotografia pertencia à minha avó e a toalha em crochet foi ela que fez para o meu enxoval, numa altura em que eu pouco ligava a essas coisas. Agora, não só dou importância a estes pormenores, como os exibo com orgulho.
2 – A Cartilha Maternal que aparece na fotografia é um fac-simile oferecido pelo Expresso, em 6 de Janeiro de 1996. Perguntei à minha mãe pela Cartilha da minha avó mas, infelizmente, perdemos-lhe o rasto.

10 comentários:

Receitas ao Desafio disse...

Que riqueza de discurso repleto de recordações deliciosas! Adorei o pormenor da terrina, que transborda tradição, o detalhe do rendilhado da toalha, e o cheirinho da sopa de peixe. Obrigada pela partilha!
Patrícia

turbolenta disse...

Uma bela história plena de grandes recordações e contada com grande emoção.
Todas nós recordamos histórias felizes dos nossos tempos de criança.
As avós faziam parte da nossa vida. Naquele tempo, ocupavam-se da lida da casa e tinham uma paciência de anjo para nos aturarem, contarem histórias e ensinarem.
A cartilha maternal de João de Deus ainda hoje continua a ser a base do ensino das primeiras letras nalgumas escolas. A escola João de Deus é um belo exemplo, que prova que esse sistema de ensino ainda hoje resulta em pleno. Foi nela que os meus filhos aprenderam.
Sabe que eu andava `a procura de uma sopa de peixe diferente, bem sucolenta e apetitosa e achei esta com um toque diferente da maioria das que pesquisei?
Quando vou de fim de semana à minha aldeia, não resisto a um prato bem cheio desta iguaria num restaurante lá perto, que a faz de uma maneira soberba.
Vou seguir estes passos e tentar reproduzir esta perfeição.

Na verdade, quando em tempos, nos davam determinadas coisas, nós não lhes ligavamos demasiada importância. Mas hoje em dia damos-lhes bastante valor, pois além do valor estimativo que as peças têm, cada peça tem uma história, um bocado da vida dos nossos antepassados dos quais nos lembramos com saudades.
E herdou 2 peças lindíssimas.

Receitas ao Desafio disse...

Gosto muito de sopa de peixe e, com certeza, essa é uma receita saborosa e especial por homenagear os teus avós: o teu avô por trazer peixe de mares lindos e perigosos e a tua avó por transformar esse rico alimento numa ceia de amor e carinho!!! Bjs, PMT

Susana disse...

E que bela e deliciosa participação!!! Essa sopinha tem aspeto bem tradicional e servida numa mesa rica como essa dá bastante prazer saboreá-la!

Beijinhos

Gisela disse...

Uma sopa de peixe é das coisas que me satisfaz mais, e em conjunto com uma história ainda melhor fico
Um beijinho e boa semana

Laranjinha disse...

Ilídia,

foi com imenso gosto que li a tua participação. A sopa parece-me deliciosa. Imagino o teu entusiasmo à volta do peixe apanhado pelo teu avô. Esses momentos são tão especiais. A toalha é muito bonita.

Muitos parabéns.
Um beijinho

Receitas ao Desafio disse...

Obrigada a todas pelos comentários simpáticos. Foi muito bom vasculhar na minha memória e recordar estes momentos, principalmente estes episódios passados com os meus avós, figuras bastante presentes na minha infância.
Ao mesmo tempo, é sempre doloroso evocar o passado, principalmente quando as pessoas que o marcaram já não estão cá como, infelizmente, é o caso dos meus avós.

Laranjinha, obrigada pelo desafio, que me fez recuar no tempo e despertar memórias bastante felizes.
Beijinhos para todas

♥♥ belinhagulosa ♥♥ disse...

Que rica sopa amiga adoro estas histórias lindas bjokinhass

Receitas ao Desafio disse...

Eh mulher, as minhas hormonas já não são o que eram desde que a Clara nasceu. Estou lavada em lágrimas a ler a tua receita.

Célia disse...

Adorei esta receita, e principalmente as memórias que a acompanham. Eu poucas ou nenhumas memórias tenho dessas. Mas fico emocionada de as ler.
Beijinhos e tudo de bom.