quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Sangria de Frutos Silvestres


No fim-de-semana passado deu-me um desconsolo de sangria.

Aqui na ilha associamo-la às festas de Verão quer sejam as Sanjoaninas ou as da Praia da Vitória em que corremos de tasca em tasca a experimentar os petiscos típicos, a suculenta bifana, a morcela com inhame, a linguiça….Tudo bem regado com uma sangria fresca e frutada feita por mãos sábias.

Que saudades do bom tempo, dos piqueniques, dos churrascos e da sensação do dolce far niente em que os dias rendem e rendem e nunca mais acabam, dando a impressão que dá para fazer tudo e ainda sobra tempo. Por momentos, um gole de sangria fez-me recordar a necessidade que temos de dar valor ao descanso, a alguns pequenos prazeres da vida, e aqui não me refiro ao álcool porque à sangria que vos trago não adicionei desta vez bebida alcoólica. A razão é simples e foi a seguinte. Enquanto fazia a sangria, os meus filhos andavam à minha volta na cozinha, turbulentos como sempre, e quando me viram a colocar os frutos silvestres, que pela sua cor púrpura tingiam naturalmente a sangria, ficaram muito curiosos e perguntaram-me logo se podiam experimentar. Nesse momento, e devido ao entusiasmo deles resolvi que esta sangria não levaria álcool para que também eles pudessem participar da festa, já que são sempre eles as atracções principais.

Ingredientes para um jarro de 2 litros
frutos silvestres frescos ou congelados ( 1 copo cheio para um jarro) Compro da marca Dujardin - mistura de frutos silvestres
1 embalagem de sumo Compal Vital frutos vermelhos (1 litro)
1 lata de 7up
1 limão (picado aos pedacinhos)
1 lima (picada aos pedacinhos)
1 colher de sopa de açúcar mascavado
2 paus de canela
folhas de hortelã a gosto
Juntei todos os ingredientes num jarro. Costumo colocar no congelador a embalagem de sumo e a lata de 7up cerca de uma hora antes de fazer a sangria para ficar bem fresquinha, mas também pode-se adicionar gelo à sangria.
Desculpem o pormenor da colher de pau de pernas para o ar mas o motivo dela ter ido parar ao jarro dessa forma deve-se ao  facto de ter tido uma menina de três anos a colaborar na confecção da sangria, que achou que assim o jarro ficaria mais bonito. Fiz-lhe a vontade.

Patrícia

7 comentários:

Picarota disse...

A colher de pau de pernas para o ar até não fica mal. Chama-lhe uma "decisão editorial" :P Tem um excelente aspecto esta sangria!

Ilídia disse...

A tua filha tem um sentido estético apurado. Também gosto da colher ao contrário. A sangria está magnífica. Mas para mim, poria um pouco de álcool :) Quesaudades das nossas festas de verão! Aliás, que saudades do verão! Já não posso com temp frio e cinzento! Bjs

Receitas ao Desafio disse...

Agradeço à picarota e à Ilídia os comentários que teceram à minha sangria e que infelizmente foram vítimas do conflito interior em que o blogger tem andado, tendo sido eliminados. Obrigada.
Patrícia

Gisela disse...

Se há bebida a que não resisto é sangria, e gosto imenso com frutos vermelhos, mas nunca bebi sem álcool como esta. Assim até as crianças podem beber à vontade
Um beijinho

Anónimo disse...

A foto ficou fantastica.....confesso que já não bebo sangria, já faz uns anos, estava eu cá de ferias (sem os meus pais) em plenas festas São Joaninas....tinha talvez 18 anos, digamos que abusei da sangria,no patio da Alfandega....jurei para nunca mais....acho que chegou altura de quebrar a jura =) jinhos Diana

Receitas ao Desafio disse...

Que experiência traumática, Diana! mas são abusos característicos da adolescência. Quem não os teve? Se fizeres esta sangria, dou-te garantia que não passarás mal, porque não leva álcool. É muito saborosa! Bjs e bom fim de semana!
patrícia

Anónimo disse...

A menina de 3 anos tem razão! As crianças têm tendência a ver as coisas com menos preconceitos! Até dá mais jeito para mexer...